Exchange Traded Fund


O mês de Junho/2016 foi marcado pela compra de ETF para a Carteira de Larissa. Vamos aprender do que se trata..

Os objetivos do artigo são:

  • Motivar o leitor a iniciar, IMEDIATAMENTE, a investir em outros produtos financeiros que não a Caderneta de Poupança;
  • Demonstrar que investir pode ser mais fácil do que, inicialmente, aparenta;
  • Elaborar uma metodologia modelo para ser utilizada junto com a estratégia de Alocação de Ativos;
  • Mostrar, na prática, através de uma Carteira de Investimentos Virtual, o funcionamento da estratégia Alocação de Ativos.

ATENÇÃO


O artigo a seguir foi escrito para fins meramente educacionais. As informações, dados e operações apresentadas, apesar de basearem-se em cotações reais, tratam-se de mera simulação. Em nenhuma hipótese tratam-se recomendação de investimento. Decisões de investimento baseadas nas informações apresentadas neste artigo são de responsabilidade exclusiva de quem assim o fizer, não sendo o autor responsável pelas consequências destas decisões.






Apresentação em Vídeo


Se preferir, assista ao vídeo sobre a Carteira de Larissa. Uma nova experiência disponibilizada pra você.



Recordando


Com a amortização do BRCR11 e a distribuição de rendimentos decorrentes da venda de um imóvel do mesmo fundo, os rendimentos de FII dispararam em Maio/2016.


Apesar disso, a rentabilidade da Carteira foi negativa, no mês.




Junho/2016

No dia 01, Larissa verificou o saldo para investimento:

  • Saldo em Conta Corrente: +R$ 137,08
  • Saldo em Fundo DI: +R$ 979,33
  • Novo Aporte: +R$ 387,70
  • Reserva Taxa Custódia: -R$ 10,00

Em seguida, analisou a Alocação atual dos seus investimentos para, então, decidir em que classe faria o investimento este mês:


Verificou que o investimento deveria ser, diferentemente do sinalizado no mês passado, em Ações.

Como ela já tinha comprado ações de ao menos cada um setores da economia representados no índice MLCX, decidiu que era hora de comprar o ETF SMAL11.


Exchange Traded Fund (ETF)


O ETF é um fundo, assim como os fundos de Ações ofertados por banco, só que as cotas são negociada em Bolsa. A composição da Carteira de um ETF assemelha-se a Carteira de um índice de Ações.

As cotas do ETF são negociadas na BM&FBOVESPA de forma semelhante às ações. Ao adquirir tais cotas, o investidor, indiretamente, passa a deter todas as ações da carteira teórica do índice, sem ter que comprá-las separadamente no mercado.

As vantagens do ETF são:

  • Costumam ter uma taxa de administração menor que os fundos de ações tradicionais.
  • Com apenas uma transação proporcionam o investimento em uma carteira diversificada de ações.
  • É possível comprar e vender cotas no mercado secundário como se fosse uma ação.
  • Possibilita que o investidor acompanhe as alterações na composição ou proporção da carteira teórica de ações do índice de referência sem ter que comprar ou vender todos os ativos que estiverem na referida carteira.

Na BM&FBOVESPA existem 14 fundos ETF de Ações diferentes, cada um representando um índice da Bolsa. O SMAL11 representa o índice SMLL.

O SMLL é um índice composto por Ativos que estejam fora da lista dos que representam 85% do valor de mercado das empresas listadas na Bolsa. Ou seja, se atenderem às demais regras do índice, toda aquela empresa listada em bolsa que não está no MLCX estará no SMLL.

São as “pequenas” empresas da Bolsa.

As seguintes empresas compõem, atualmente o SMLL:



Junho/2016 (Continuação)


Uma dúvida de Larissa, a respeito do investimento em ETF, estava relacionada a tática de alugar as ações para obter rendimento adicional. A boa notícia é que nada muda com o ETF

Aliás, além dela mesma poder alugar as suas cotas, o Gestor do ETF realiza operações de Aluguel com os Ativos que compõem o fundo para cobrir os custos das operações. Da mesma forma, os dividendos e juros sobre o capital são pagos ao fundo que reinveste na aquisição de mais ativos.

O lote mínimo para compra de ETF é de 10 unidades. Como a compra dessa quantidade mínima ficaria abaixo do limite de R$ 580 para investimento em Renda Variável Larissa comprou 20 cotas ao custo total de R$ 891,34.

Para completar a operação ela precisou resgatar 100,67 cotas do Fundo DI, totalizando o valor líquido de R$ 376,17. O lucro obtido com a operação do Fundo DI foi de +2,5%.

Ao longo do mês, houve os seguintes eventos financeiros:

  • Pagamento de Taxa de Custódia: -R$ 10
  • Rendimentos dos FII: R$ 33,92
  • Aluguel de Ações: R$ 1,71
  • Dividendos de Ações: R$ 0,27
A situação da Carteira ao fim do mês era a que segue:


Dessa vez as Ações figuraram no campo positivo, inclusive com o ETF SMAL11 obtendo uma ótima valorização de +9%. O campo negativo ficou para os Fundos Cambiais.



Conclusão

O valor da Cota da Carteira de Larissa é o mais alto de todo o acompanhamento. Os excelentes meses da Bolsa foram fundamentais para esse desempenho. Mas não podemos deixar de considerar que foi a estratégia de Alocação de Ativos que sinalizou os momentos de compra.


Os rendimentos já representam 12,1% do total da Carteira, ultrapassando os R$ 2 mil.


Mais informações e análises mais detalhadas podem ser encontradas no vídeo.


Pense nisso!

Um grande abraço e até a próxima!

Kleber Rebouças

Rico Dinheiro: Curta e Compartilhe Educação Financeira!








Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Financiamento Imobiliário: Tabela PRICE ou SAC?

Ganhe Dinheiro com o seu Cartão de Crédito